quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Auriculoterapia do ponto de vista biomédico!!!




Quem nunca viu ou ouviu falar dos famosos pontinhos na frente e no dorso da orelha?

Hoje vou dizer um pouquinho sobre a auriculoterapia do ponto de vista biomédico (científico) e o que ela pode contribuir para a biomedicina estética.

A auriculoterapia é uma técnica milenar para o tratamento/equilíbrio de diversos estados de desequilíbrio do nosso corpo, todos nós sabemos que para tratar perda de peso e redução de medidas é necessário atacar diretamente na fonte!!

Ou seja: Porque esse paciente engordou? Compulsão alimentar? Ansiedade? Troca de vícios? Compensação?

Do que adianta um mega programa de redução de medidas elaborado com o melhor profissional do mercado se o paciente não controla e ataca a geladeira na madrugada?
Quando se trata os pacientes na causa e na consequência (na fome/compulsão e no excesso de peso e medidas) os resultados serão muito mais promissores e o melhor definitivos!



Agora vamos a parte técnica:

A rica inervação do pavilhão auricular tem grande peso na obtenção de resultados terapêuticos através do uso dos pontos auriculares.
O pavilhão auricular está inervado principalmente por nervos espinhais do plexo cervical como o auriculotemporal, facial, glossofaríngeo, ramos do vago e simpático. Estes quatro nervos cerebrais e dois espinhais, ramificam-se e distribuem-se em todo o pavilhão auricular, conectando-o com o sistema nervoso central (SNC).
Os múltiplos métodos de estímulos usados no pavilhão auricular como a implantação de agulhas, pressão mecânica sobre os pontos, estímulos elétricos, ultra-sônicos, etc., provocam a sensação de chegada da energia (The Qi), que é produzida provavelmente pela excitação de numerosos receptores, especificamente receptores dolorosos, os que enviam o impulso até o núcleo do trato medular do nervo trigêmio, onde posteriormente é enviado à estrutura reticular do tronco cerebral.
A estrutura reticular elabora um sistema especial de síntese de sinais, que permite considerar à mesma como um viabilizador da ação da auriculopuntura no sistema nervoso, não só no tratamento da dor, como também na regulação da atividade dos órgãos internos.
Resultados de pesquisas no Instituto de Medicina Tradicional de Meiyuan, demostraram que cada mudança patológica que se produza em um órgão interno é refletida no ponto correspondente do pavilhão auricular e que a via humoral desempenha um importante papel na trasmissão desta informação ao pavilhão auricular.

Nos últimos tempos, tem-se dado muita importância à serotonina (5- hidroxitriptamina), que é um hormônio tecidual de ação local e que foi encontrado também no SNC; quando os níveis de serotonina são elevados, o efeito analgésico é satisfatório.
De acordo com experimentos realizados, pode-se comprovar que após uma punção acupuntural, os níveis de acetilcolina no tálamo aumentam e a atividade da colinesterase diminui. Se injetarmos colina em um ventrículo do cérebro bloqueia-se a acetilcolina dentro do cérebro e o efeito analgésico da acupuntura é diminuído. Nota-se então que a ação da acetilcolina na analgesia acupuntural é também significativa.

Então caros amigos biomédicos e simpatizantes a auriculoterapia, o método funciona e eu recomendo!!


Saudações biomédicas a todos.

Dra. Tássia Queiroz
Biomédica Esteta
CRBM 4698

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário